A DSM é uma empresa global de origem holandesa que atua com foco em ciência para desenvolver, produzir e fornecer soluções inovadoras (ingredientes e matérias-primas) que melhoram a qualidade de vida das pessoas. Inovação, sustentabilidade, parcerias & aquisições e crescimento econômico são os quatro pilares da estratégia global da companhia. Desde o desenvolvimento de produtos até a área de vendas, todos levam em consideração o fato de a DSM ter que atuar de forma a ser lucrativa, melhorar a vida das pessoas e do meio ambiente.

DSM

 

Zenaide Guerra – diretora de assuntos institucionais e comunicação corporativa da DSM para a América Latina

ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

A companhia colocou a sustentabilidade em sua estratégia. É o que a DSM chama de produtos ECO+ e PEOPLE+, que representarão 60% do total das vendas da companhia até 2020. A DSM tem como meta utilizar em sua matriz energética 50% de fontes renováveis até 2025, elevar para 75% o nível de engajamento favorável dos colaboradores até 2020 e reduzir o índice de afastamentos de funcionários até 2020. É uma das empresas que opta por divulgar o relatório anual financeiro e de sustentabilidade de forma integrada.

LABORATÓRIO DE BIOTECNOLOGIA

Uma das principais ações de sustenbalidade da companhia é a inauguração de um laboratório de biotecnologia, instalado em Campinas (SP), com investimento de € 1 milhão. A função desse laboratório é desenvolver tecnologias economicamente viáveis para a produção de etanol de 2ª geração a partir do bagaço da cana. No laboratório, especialistas da companhia fazem pesquisas para o desenvolvimento de enzimas e leveduras para aperfeiçoar a produção de etanol 2G, tornando-o economicamente viável. A pesquisa está voltada a toda a indústria de etanol. O plano é aproveitar o que não é utilizado pela DSM e tentar tornar esse processo eficiente, em referência a materiais como bagaço e palha de cana-de-açúcar, utilizados na produção de etanol celulósico. O negócio é um desafio do ponto de vista financeiro, já que o custo de fabricação para produzir etanol 2G ainda é superior ao de primeira geração, que tem como matéria-prima o caldo de cana. Segundo dados do BNDES, o custo de produção do biocombustível de segunda geração será inferior apenas em 2020, com valor entre R$ 0,50 e R$ 0,70 por litro. O etanol de primeira geração tem custo aproximado que varia de R$ 0,70 a R$ 0,90 por litro.

PREMIAÇÃO

A companhia desenvolve ainda o Bright Minds Challenge, uma iniciativa inédita, realizada em âmbito global, para desafiar pesquisadores, empreendedores, cientistas, estudantes e curiosos na identificação de ideias inovadoras e projetos audaciosos voltados a dois temas ligados à energia renovável: energia solar e armazenamento de energia. Lançado mundialmente em 2016, o desafio foi criado pela DSM juntamente com a Accenture (NYSE:ACN); Centro Nacional Chinês de Supervisão e Inspeção da Qualidade de Produtos Solares Fotovoltaicos (CPVT); Greentown Labs; Laboratório Nacional de Energia Renovável do Departamento de Energia dos Estados Unidos – Centro de Empreendedorismo Social da Skoll; Universidade de Oxford; Solarcentury; SolarAid e Sungevity.

Para a DSM, reconhecer talentos originais e inovadores é fundamental para realizar negócios, uma vez que a companhia é uma das líderes no campo da ciência com impacto social no mundo. Assim, a empresa enxerga na ciência o caminho para resolver questões relacionadas a pesquisa e desenvolvimento e à sustentabilidade, pois acredita que a ciência pode mudar o mundo e, por meio das suas várias unidades de negócio, cria soluções que contribuem para melhorar a qualidade de vida da pessoa, na atualidade e das gerações futuras. Ao liderar o Bright Minds Challenge, a DSM entende que existem inúmeras mentes brillhantes, muitas vezes desconhecidas em todo o planeta, com grandes ideias e soluções para os principais problemas da humanidade. Por meio do desafio, buscou criar um mecanismo para desenvolver ferramentas que auxiliam a transformar os projetos em realidade, com financiamento a treinamentos e acesso aos seus centros de pesquisa e laboratórios de empresas parceiras e instituições de pesquisa na Europa, Estados Unidos e Ásia.

ETAPAS

Pessoas de todo o mundo, interessadas em mostrar suas ideias nas duas categorias (energia solar e armazenamento de energia), criaram vídeos sobre os seus projetos e inscreveram no site do desafio de 26/10/2016 (lançamento) até o dia 1º de fevereiro de 2017. Nos meses de fevereiro e março de 2017, os vídeos foram submetidos à votação popular, sendo disponibilizados no próprio site do desafio, tendo mobilizado um grande número de acessos e mais de 5,1 mil votos, de pessoas espalhadas por todos os cantos do mundo. Em 12 de abril, os responsáveis pelos dez vídeos com maior número de votos apresentaram pessoalmente os detalhes dos seus projetos para um grupo de jurados em um evento especial, realizado em Boston (Estados Unidos) pela DSM e pela parceira Greentown Labs, uma incubadora de tecnologia dos EUA. Nessa etapa, participaram três projetos oriundos de países da América Latina. Na etapa de apresentação, nos EUA, foram conhecidos os três finalistas, cuja colocação ficou definida no evento realizado em 13 de junho, na Holanda.

O júri que avaliou os dez finalistas foi formado por renomados profissionais de inovação da DSM e das empresas parceiras: Pieter Woltrers, vice-presidente do Centro de Inovação da DSM (EUA); Madelon Janssen, diretora de pesquisa, tecnologia e desenvolvimento da DSM Advanced Surfaces (Bélgica); Roebyem Andres, vice-presidente global da Sungevity (Holanda); Antony K. Burrell, diretor de tecnologia para armazendamento de energia na National Renewable Energy Laboratory (NREL), do Departamento de Energia do Governo dos EUA; Sarah Kurtz, codiretora do Centro Nacional para Energia Fotovoltaica do NREL;  Daniel Davies, diretor de sistemas híbridos de energia da Solarcentury (Inglaterra); Daniel Hullah, diretor geral da GE Ventures (EUA); e Jessica Long, diretora geral de estratégia e sustentabilidade da Accenture (EUA).

Para a última etapa, que definiu as três primeiras colocações, o alto nível do  júri foi mantido, sendo composto por um time de grandes nomes da inovação. Entre eles, estavam Rob van Leen, diretor global do escritório de inovação da DSM e membro do Comitê Executivo da companhia (Holanda); Sander van der Heijden, diretor de química e de recursos naturais da Accenture na Holanda; Danny Kennedy, diretor do Fundo de Energia Limpa da Califórnia (EUA); Jeremy Leggett, diretor-fundador da Solarcentury e presidente da SolarAid (Inglaterra); Emily Reichert, CEO do Greentown Labs (EUA); e Andrea Warriner, vice-diretora adjunta do Centro Skoll para Empreendedorismo Social da Universidade de Oxford (Inglaterra).

ABRANGÊNCIA MUNDIAL

Dos 55 projetos inscritos, cinco partiram de países da América Latina, região onde a companhia tem forte atuação e presença em 13 países, sendo dois do Brasil, um da Argentina, um do Peru e um da Colômbia. É um número considerado positivo pela companhia, pois, apesar de os países desenvolvidos alocarem um volume maior de investimentos em pesquisa e inovação, o potencial local de desenvolvimento em novas tecnologias na área de energia renovável na América Latina é grande, percebido pelo crescimento do setor e pelo reconhecimento sobre o futuro papel dessa fonte na matriz energética.

A região que apresentou maior número de projetos foi a Europa, com 13 ideias de oito origens: Holanda (5), Portugal (2), Alemanha, Espanha, França, Polônia, Suécia  e Turquia com um projeto cada. Em segundo lugar, apareceu a América do Norte, com dez projetos inscritos: EUA (8) e Canadá (2). Esta região foi seguida pela América Latina e Ásia, com três projetos (Filipinas, Birmânia e Coreia do Sul) e África, com um projeto da Tanzânia. Mas, além dessas regiões, foram apresentados três projetos com equipes formadas por participantes oriundos de regiões diferentes, como um projeto apresentado por representantes da Alemanha, Inglaterra e Índia, outro com participantes da Suécia e dos EUA, e um com integrantes da África, Ásia e América Latina.

FINALISTAS

1º lugar – Inquimae (Argentina)

Desenvolvido pelo cientista argentino Ernesto Julio Calvo, tratra-se de um novo processo de extração de lítio para armazenamento de energia renovável. Alimentado por energia solar, é mais rápido e mais limpo que as tecnologias atualmente existentes. (https://goo.gl/SGjjXs)

2º lugar – Cellulike (Tanzânia)

Desenvolvido por Richard Awuor, trata-se de um sistema de distribuição de energia solar que é executado em uma plataforma de dados de serviços suplementares não estruturados (USSD), diferente da execução por meio de um aplicativo móvel, que é atualmente utilizado. O novo sistema gera ganhos em termos de redução de custos, quando comparado à telefonia móvel, aos telefones ou até mesmo à internet, e permite a operação pelos integrantes da aldeia onde está instalado o sistema. (https://goo.gl/XZH3TD)

3º lugar – Solar Ear (Brasil)

Desenvolvido por uma equipe formada por três especialistas: Howard Weinstein, Sarah Phiri e Tendekayi Kastiga. Trata-se de uma tecnologia que permite carregar aparelhos auditivos com energia solar, que torna esse sistema mais acessível em termos de custos. Com essa tecnologia, por exemplo, o custo  do aparelho é inferior ao custo da própria bateria que é utilizada atualmente. (https://goo.gl/dtem5u)

O primeiro colocado foi premiado com suporte de treinamentos, recursos e conhecimentos especializados fornecidos pela DSM e pelos parceiros, em um total de 500 horas, equivalente a um prêmio de US$ 100 mil, para acelerar e aperfeiçoar a solução inovadora Inquimae, uma nova forma de extração de lítio que é alimentada por energia solar e mais rápida e mais limpa que qualquer outra tecnologia existente. O segundo e terceiro colocados receberão 250 horas e 125 horas de acesso e suporte, respectivamente. Ao todo, o Bright Minds Challenge premiou os três finalistas com 875 horas em treinamentos e suporte científico e de empreendedorismo para auxiliá-los a transformar suas ideias em inovações que contribuam para melhorar a qualidade de vida das pessoas e do planeta.

Nas redes sociais, as páginas da DSM na América Latina (@DSMLatam) no Facebook, Twitter e Facebook (em português e espanhol) também foram fundamentais para ampliar a divulgação do desafio na região. No período  do desafio, foram mais de 400 interações diretas nas mídias sociais, com quase 25 mil pessoas atingidas diretamente pelas mensagens e com quase 700 acessos aos vídeos postados nas páginas oficiais da companhia na região no Facebook e Twitter. Na América Latina, as referências ao Bright Minds Challenge nas redes sociais motivaram mais de 11,5 mil engajamentos entre os meses de abril e junho deste ano, que compreenderam o período em que os jurados avaliaram os projetos dos três finalistas, lembrando que um deles é desta região (Argentina).

Em âmbito global, os números são ainda mais expressivos, pois cerca de 55 milhões de pessoas foram alcançadas na comunidade online, com registro de 2,4 milhões de engajamentos, incluindo influenciadores importantes da comunidade científica e de ativismo e respeito ao meio ambiente que se comunicam pelas mídias sociais, como @CFigueres (Christiana Figueres, líder reconhecida em todo o mundo pela luta para a conscientização sobre as mudanças climáticas); @PaulPolman (CEO da Unilever); @JeremyLeggett (diretor da Solarcentury e presidente da SolarAid e um dos jurados do Bright Minds Challenge); @WFP (World Food Programme, uma das maiores agências humanitárias do mundo); @UNFCCC (Convenção das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima); @WWFNewZeland (subsidiária neozelandesa da ONG ambiental WWF); @REWorld (rede internacional de profissionais, informações e inovações ligadas ao setor de energias renováveis); entre outros.

TRANSPARÊNCIA

Por meio do relacionamento estreito da DSM com jornalistas que atuam em veículos de comunicação especializados em vários setores da economia na América Latina, especialmente no Brasil, a empresa informou à imprensa sobre cada etapa do Bright Minds Challenge, com ampla visibilidade para o desafio na mídia. Com vistas a alcançar o público de interesse – especialistas ligados às categorias do desafio –, as iniciativas de comunicação priorizaram os veículos que atuam na cobertura de assuntos ligados à energia, energias renováveis, sustentabilidade, ciência, pesquisa e desenvolvimento, novas tecnologias, entre outros. Mas, além de veículos da mídia tradicional, a divulgação do desafio na região trabalhou também com influenciadores que têm interesse nesses temas, como blogs e páginas pessoais e instituições influentes nas mídias sociais, particularmente Facebook e Twitter.

Com a cobertura da mídia e a repercussão nas redes sociais, a DSM considera ter alcançado os objetivos traçados pelo desafio. Além de contribuir para incentivar o desenvolvimento de novas tecnologias para a área de energias renováveis, a DSM reforçou seu posicionamento como uma das líderes mundiais no campo da ciência com impacto social e da ciência de uma perspectiva profissional junto aos seus vários stakeholders. Além disso, outros objetivos igualmente importantes foram alcançados, como o de aumentar o orgulho e o envolvimento dos colaboradores, aumentar o valor da marca DSM e a sua reputação e reforçar o posicionamento da empresa no campo da energia renovável.

DSM – Bright Science. Brighter Living.™

A Royal DSM é uma empresa global baseada na ciência, com atividades nas áreas de saúde, nutrição e materiais. Ao associar suas competências sem igual em Life Sciences e Materials Sciences, a DSM gera prosperidade, progresso ambiental e avanços sociais para criar valor sustentável para todos os envolvidos. A DSM oferece soluções inovadoras que alimentam, protegem e melhoram o desempenho em mercados mundiais como alimentos e suplementos dietéticos, cuidados pessoais, rações, dispositivos médicos, peças automotivas, tintas, componentes elétricos e eletrônicos, proteção da vida, energia alternativa e materiais biológicos. A DSM e suas empresas associadas têm faturamento líquido anual de 7,92 bilhões de euros, com mais de 20 mil funcionários. As ações da empresa são negociadas na Euronext Amsterdã. Mais informações estão disponíveis em www.dsm.com/latam.