Tecnologia industrial a seco para processamento e beneficiamento de minério de ferro é a solução desenvolvida pela empresa brasileira New Steel. A adoção de uma rota de processamento mineral integral a seco se opõe ao método tradicional que utiliza, em média, mil litros de água para cada tonelada de minério de ferro produzida. A inovação permitiu a segregação de ferro de forma sustentável e a custos competitivos. Por meio da tecnologia, não há necessidade de construção de barragens para contenção de rejeitos, eliminando riscos socioambientais e econômicos. Ao todo, R$ 200 milhões foram aplicados na iniciativa que preserva o principal recurso mineral do planeta: a água.

Dados da Agência Nacional de Mineração apontam que a produção brasileira de minério de ferro em 2016 foi de 430 milhões de toneladas, o que corresponde a um gasto de 430 bilhões de litros de água no processamento mineral. Tal consumo é suficiente para atender a demanda hídrica ao longo de um ano de uma cidade de 7,8 milhões de habitantes, como o Rio de Janeiro, por exemplo. Até que a New Steel, empresa genuinamente brasileira, desenvolveu uma inédita tecnologia industrial a seco.

A inovação permite a segregação de ferro de forma 100% sustentável e a custos competitivos. Por meio da tecnologia, não há necessidade de construção de barragens para contenção de rejeitos, eliminando todos os riscos historicamente associados. Os resíduos gerados constituem um produto não magnético, constituído basicamente por sílica (areia) que pode ser utilizado como matéria para outras cadeias produtivas.

Para o constante desenvolvimento científico e tecnológico do processo de beneficiamento de minério de ferro a seco, a Companhia constituiu o Centro Tecnológico de Soluções Sustentáveis (CTSS), um celeiro de inovações com um moderno laboratório e parque fabril para montagem dos separadores magnéticos.

O CTSS foi adquirido por meio da Companhia de Desenvolvimento Industrial do Estado do Rio de Janeiro (CODIN), em uma área de aproximadamente 25 mil metros quadrados, situada no polo industrial de Xerém, no município fluminense de Duque de Caxias.

Em época de crise hídrica e queda nos preços do minério de ferro, a presente tecnologia tem por objetivo prover um processo de recuperação de finos e superfinos de minério de ferro, materiais rejeitados pelas mineradoras convencionais, por meio de um sistema eficiente de processamento e beneficiamento de minério de óxido de ferro, sem a utilização de água, em uma unidade de separação magnética, proporcionando elevadas recuperações de massa e metalúrgicas, obtendo-se um produto comercialmente superior, podendo atingir níveis de até 68% de ferro. São milhões de litros de água preservados.

DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

Denominada Fines Dry Magnetic Separation (FMDS) a tecnologia desenvolvida pela New Steel refere-se a um sistema de beneficiamento de minério de ferro que permite a concentração magnética de partículas finas a superfinas (abaixo de 100#), com baixo teor de ferro e sem valor comercial, consideradas como minérios rejeitados (encontrados em pilhas de estéreis e em barragens de rejeitos) pelos métodos convencionais de exploração mineral existentes, transformando-os em produtos economicamente viáveis, com alto índice de ferro e baixo teor de contaminantes, em uma rota totalmente a seco. O tradicional beneficiamento existente nas grandes mineradoras do mundo contempla o processamento de minério com alto teor de ferro (em torno de 52%) de modo que todo material abaixo desse teor é considerado material rejeitado, o que vem restringindo cada vez mais o processo minerário devido à escassez de materiais de alto teor.

Para elevar o teor de ferro das partículas, o método comumente empregado pelo setor mineral é a flotação, que para tal exige a inserção excessiva de água no processo. No entanto, a singularidade da solução concebida pela New Steel revela-se pela adoção de uma rota de processamento mineral integralmente desenvolvida a seco, que para tanto exige a introdução de uma unidade de secagem e desagregação antes da alimentação das frações mais finas do separador magnético.

A rota pode ser resumida da seguinte forma: a umidade do minério é reduzida por meio de secador, que utiliza gás natural ou queima de biomassa como principal insumo energético a fim de evitar a contaminação e emissão de poluentes atmosféricos, sendo o minério então classificado por diferentes estágios de ciclonagem, e, enfim separado magneticamente, gerando um produto magnético (concentrado de minério de ferro) e um produto não magnético (constituído basicamente por sílica).

A tecnologia desenvolvida pela New Steel possibilita a obtenção de um produto comercialmente superior, mais precisamente um concentrado de minério de óxido de ferro com teor acima de 63%, podendo atingir níveis de até 68% de ferro. Dessa forma, tal tecnologia traz diversas vantagens, tais como:

  • Permite maior desagregação, possibilitando maior recuperação em massa metálica de ferro.
  • Permite a recuperação de finos de minério de ferro em frações menores que 100 mesh, sem perdas devidas ao fenômeno de arraste da água, como nos casos de beneficiamento a úmido.
  • O uso de gás natural ou biomassa no processo de secagem promove a conservação ambiental, por produzir uma combustão limpa não gerando resíduos.
  • Os equipamentos são enclausurados, minimizando a emissão de efluentes atmosféricos.
  • Preservação de mananciais e aquíferos.
  • Não necessita de barragens de rejeitos, eliminando os riscos de acidentes.
  • O espaço físico necessário para implantação das plantas industriais é 90% inferior aos métodos tradicionais por via úmida.
  • Otimização logística com tratamento localizado.
  • Modularidade e flexibilidade do sistema.
  • Baixo consumo energético.
  • Aumento da vida útil das minas, devido à recuperação de minério de óxido de ferro com teores muito mais baixos.
  • A maior eficiência na separação do ferro gera um rejeito mais limpo, com alto teor de sílica (areia) altamente aproveitável em outras cadeias produtivas, principalmente construção civil e cimenteira.

CUSTO E RECONHECIMENTO

Considerando o alto grau de eficiência e sustentabilidade, a técnica pioneira foi classificada como Patente Verde pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), obtendo a respectiva Carta Patente em tempo recorde no Brasil. Além de ser titular de patentes em mais de 55 países, como EUA e Austrália. No âmbito internacional, a New Steel consagrou-se vencedora do Platts Global Metal Awards, conhecido como Oscar da Mineração, na categoria inovação, em 2015.

Para o desenvolvimento da técnica inovadora, foram aplicados diretamente R$ 200 milhões. A Companhia continua aprimorando a tecnologia e já anunciou investimento de R$ 20 milhões para ampliação do Centro Tecnológico, elevando a capacidade de produção dos equipamentos e demais projetos voltados à sustentabilidade na indústria minerária.

RESULTADOS

Em tempos de demandas crescentes e simultâneas de ordem econômica, ambiental e estratégica na indústria minerária, a tecnologia da New Steel corresponde a uma resposta definitiva ao desafio de gerar resultados econômicos de forma ambientalmente sustentável. A recuperação de minérios de ferro de baixo teor, que são atualmente rejeitados pelas operações existentes, constituindo passivos ambientais, são transformados em produtos comercializáveis de modo técnico e economicamente viável.

Os resíduos gerados no processamento a seco por apresentar alto teor de sílica e baixo índice de contaminantes podem ter aproveitamento como matéria-prima em outras cadeias produtivas, como para as indústrias de construção civil e cimenteira.

O processo a seco dispensa integralmente a necessidade de barragens de contenção de rejeitos, eliminando os riscos de acidentes ambientais e sociais, inclusive de vida. Além destes peculiares resultados do processo de beneficiamento de minério de ferro realizado pela New Steel, o que realmente eleva a tecnologia como única no mundo é, inegavelmente, o fato de não usar água.

DE STEEL A NEW STEEL

Antes denominada Steel Mineração e Exportação Ltda., empresa foi criada em 2007 com foco na exploração mineral. Em 2010, estabeleceu um novo reposicionamento mercadológico, mudando sua área de atuação, passando a prestar serviços a grandes mineradoras, oferecendo soluções sustentáveis no processamento e beneficiamento de minério de ferro, ocasião em que foi inaugurada a primeira planta a seco, no município de Rio Piracicaba, em Minas Gerais.

Os resultados positivos provaram a eficiência tecnológica e competitividade em termos de qualidade do produto e custos de operação. O sucesso do processo foi constatado por grandes players da mineração no Brasil e no exterior, mediante a exportação de produtos de alta qualidade no mercado transoceânico em 2012. No mesmo ano nascia a New Steel Soluções Sustentáveis, uma empresa com viés de tecnologia e inovação voltada para o setor minero-siderúrgico, poupando recursos hídricos.

Na esteira da inovação, a Companhia constituiu, em 2015, o CTSS, subsidiária integral, com objetivo de fomentar o desenvolvimento científico e tecnológico de produtos e serviços nas áreas de mineração, mecânica, metalúrgica e de resíduos sólidos. Atualmente, o principal modelo de negócios da New Steel consiste na instalação e funcionamento de plantas industriais de processamento de minérios, em suas áreas ou de terceiros, por meio do emprego de recursos próprios, compartilhando os resultados obtidos.

A New Steel conta atualmente com 61 colaboradores, sendo que 29 são envolvidos diretamente no aprimoramento, desenvolvimento e pesquisa, montagem de equipamentos exclusivos da tecnologia. A empresa prevê investir U$ 700 milhões em dois anos e meio no Brasil e na América do Norte.