Atuando em um segmento bastante pulverizado, a Senior Solution aliou investimentos em P&D a uma estratégia de aquisições baseada na ampliação de portfólio de produtos e serviços de tecnologia para se destacar na oferta ao setor financeiro. Hoje líder de mercado, a companhia conta com o mais completo sistema full banking do país e mantém um mapeamento de mais de 200 possíveis aquisições, que possibilitarão ampliar a oferta do conceito one-stop-shop demandado pelas instituições financeiras.

SENIOR SOLUTION

por Thiago Rocha diretor de Relações com Investidores da Senior Solution

Contexto histórico

Na segunda metade da década de 1990, o sistema financeiro do país vivia um boom, e a moeda estável trazia confiança para a economia. Surgiam novos produtos de investimento e, com o impulso dado pela privatização de bancos estaduais, instituições estrangeiras chegavam ao Brasil. O cenário mudava rapidamente, trazendo mais demandas tecnológicas. Em paralelo, as empresas que forneciam essas soluções eram de pequeno porte e, sem capacidade para investirem em P&D, ofertavam sistemas obsoletos.

Essa lacuna já era percebida por Bernardo Gomes e Luciano Camargo quando, em 1996, fundaram a Senior Solution. Os dois conheciam profundamente o setor financeiro e suas necessidades quanto à tecnologia. Entre outros, Gomes já participara da estruturação do sistema da mesa de operações do J.P. Morgan e ocupara a gerência de projetos do Lloyds Bank. Já Camargo, que fora analista de sistemas do Grupo Bunge e gerente de projetos da Ergondata em atuação com seu futuro sócio, ainda em 1993, no projeto de downsizing do Lloyds.

Embora tivessem, desde o início, a ambição de priorizar o licenciamento de sistemas sob o modelo de subscrição e, assim, tornar as receitas recorrentes, não havia condição para fazê-lo de imediato. Nos seus primeiros quatro anos, a empresa realizou projetos de grande porte para diversas instituições. A experiência gerou a inteligência necessária para desenvolver seus próprios softwares. A dimensão do projeto era o grande obstáculo, tanto do ponto de vista funcional, uma vez que desejavam desenvolver a maior plataforma de tesouraria bancária do Brasil, quanto do ponto de vista técnico, pelo uso de novas tecnologia à época.

Como o desenvolvimento do software consumiria um elevado volume de investimentos em um período relativamente curto, era necessário buscar recursos. Para isso, os sócios contataram a gestora de private equity Stratus. Os investidores classificaram a mudança como muito arriscada, já que envolvia o desenvolvimento e venda de softwares novos. Além disso, a empresa não possuía experiência com aquisições. A gestora, entretanto, passou a acompanhar o desenvolvimento da Senior Solution para avaliar a possibilidade de investimento na empresa.

Para viabilizar o lançamento de seu sistema proprietário, os sócios buscaram o BNDES Prosoft – programa de crédito específico para o desenvolvimento de softwares e TI. Em paralelo, buscaram apoio técnico da Microsoft, que deu todo o suporte necessário. Em 2002, a Senior Solution tornou-se a sétima empresa brasileira a ser contemplada pelo programa do BNDES, o que permitiu não só desenvolvimento, mas garantiu sua atualização ao longo dos anos. Lançado em 2004 e classificado como um dos maiores cases pela Microsoft, o SBS (Senior Banking Solution) é um dos primeiros aplicativos para tesouraria de instituições financeiras e, até hoje, permanece como um dos principais produtos da empresa.

Além das inovações tecnológicas, o SBS proporcionou a mudança no modelo de negócios da empresa, passando a contar com uma receita recorrente mensal em troca de toda a sustentação e evolução do software, fidelizando assim, seus clientes.

Sempre priorizando a inovação, a Senior Solution destina, historicamente, 9% de sua receita líquida com softwares para P&D. O percentual não destoa da média do setor, porém, por conta das constantes aquisições e consequente aumento do portfólio de produtos, o volume financeiro cresce anualmente, o que garante à empresa permanecer à frente da concorrência.

Aquisições

Em 2005, após obter novo financiamento junto ao BNDES Prosoft, a empresa pôde ampliar o escopo da plataforma SBS, que hoje abrange todos os instrumentos financeiros nacionais: renda fixa, renda variável, derivativos e opções. Além disso, disponibiliza como funcionalidades boletagem, tratamento de carteira própria e de cliente, valorização dos ativos, MTM, integração com as clearings e sistemas de liquidação, contabilidade e tributação.

Os recursos possibilitaram ainda o início da expansão por meio de aquisições. A primeira foi a Netage, que produzia software para tesouraria e investimentos. Assim, a Senior Solution iniciou uma bem-sucedida estratégia de ampliar a oferta de produtos e serviços, expandir a carteira de clientes e acelerar seu crescimento. Após a aquisição, a Stratus tornou-se investidora em setembro de 2005 e a BNDESPar, braço de participações do BNDES, juntou-se meses depois.

Com a parceria dos investidores, que também traziam sua expertise em processos de aquisição, a companhia intensificou sua expansão. A Stratus estabeleceu práticas de governança, instituindo o Conselho de Administração, que desde o início contava com a presença de um conselheiro independente. Os fundadores continuaram como os principais gestores da empresa: Gomes, como diretor-presidente, e Camargo, como diretor de Operações e membro do Conselho de Administração.

Em 2006, a Senior Solution adquiriu a Pulso, empresa que participou do desenvolvimento do primeiro internet banking brasileiro. O ano seguinte foi marcado por duas novas aquisições: a da Impactools (software E-seg para seguradoras de vida e previdência) e da Intellectual Capital (softwares Profit e E-funds para gestoras de recursos. Em 2010, a Senior Solution passou a oferecer consultoria estratégica e de processos para instituições financeiras com a aquisição da Controlbanc.

IPO

A Senior Solution decidiu, então, dar um passo maior e fez a listagem de suas ações no Bovespa Mais da BM&FBovespa sob o código SNSL3, em maio de 2012. O IPO foi postergado diversas vezes, por conta da crise financeira. Dessa forma, os investidores tiveram acesso aos números da companhia muito antes da emissão de ações, o que favoreceu o processo. Ao realizar sua oferta pública de ações, no dia 7 de março de 2013, a Senior Solution captou R$ 39,655 milhões na oferta primária. Foi o mais bem-sucedido IPO realizado no Bovespa Mais. O valor total da oferta, considerando as parcelas primária, secundária e o lote suplementar, foi de R$ 57,462 milhões.

Apenas três meses após o IPO, a empresa realizou a aquisição da Drive, uma das líderes no desenvolvimento e comercialização de softwares aplicativos para o segmento de custódia e controladoria de ativos e fundos de investimentos. O negócio demonstrou ao mercado que a Senior Solution cumpriria sua promessa de acelerar a estratégia de aquisições e se tornar a principal empresa de software para o setor financeiro.

O primeiro ano da companhia com ações negociadas no segmento de acesso da BM&FBovespa foi desafiador. A taxa de juros de um dígito, de março de 2012 a outubro de 2013, levou os bancos a mudarem o foco de suas compras de tecnologia para projetos de otimização de recursos. Em uma combinação de crescimento com o ganho de eficiência operacional, a empresa se ajustou às condições do mercado e uniu a execução da sua estratégia de longo prazo com o aproveitamento de oportunidades de curto prazo, continuando a crescer. Em 2012, a companhia havia reportado receita líquida de R$ 46,2 milhões. O valor subiu para R$ 51,2 milhões, 10,7%, em 2013. Este foi o oitavo ano consecutivo de aumento da receita.

Com o objetivo de intensificar os investimentos em P&D, em outubro de 2014, a Senior Solution obteve o quinto financiamento pelo BNDES Prosoft. A companhia já identificara mais de cem empresas de software com portfólios complementares ao seu. Além de visar a complementariedade de serviços, esse mapeamento contemplava a expansão para novos segmentos do setor financeiro.

Em 2015, em um cenário de forte retração de crédito, os consórcios tornaram-se uma opção mais que atraente. O ingresso na área ocorreu com duas aquisições, a da Aquarius, em fevereiro daquele ano, e da Pleno, em novembro, negócios que garantiram sua presença em mais de 80 das 177 administradoras existentes no país. Depois de oito aquisições em sua história, a Senior Solution já possuía expertise em incorporar novas companhias. No caso da Aquarius, isso ocorreu em apenas três meses.

A nona aquisição, em novembro de 2016, elevou a Senior Solution à condição de maior provedora de soluções para o mercado financeiro, com um modelo full banking. A aquisição da attPS, que reportou receita líquida de R$ 50 milhões em 2015, foi a mais importante. Juntas, as empresas passaram a contar com mais de 800 colaboradores e 300 clientes, além de escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Ribeirão Preto. Durante o ciclo de investimentos iniciado na oferta de ações da Senior Solution, a empresa adicionou mais de R$ 75 milhões em receita líquida, uma expansão de 163% desde 2012. A estratégia de consolidação continua, pois ainda há centenas de oportunidades no mercado.

Linhas de negócio

• Software: receitas oriundas dos sistemas proprietários desenvolvidos para os mercados de tesourarias, gestão de recursos, consórcios, entre outros, formada por duas linhas: (i) “Licenciamento, suporte e manutenção”, com receitas recorrentes recebidas mensalmente pelo modelo de aluguel; e (ii) “Implantação e customização”, com receitas variáveis recebidas em serviços relacionados aos sistemas proprietários.
• Projetos: receitas oriundas de serviços não relacionados aos sistemas proprietários, formada por duas linhas: (i) “Consultoria”, proveniente das atividades da nossa controlada Controlbanc; e (ii) “Tecnologia”, como fábrica de software para o desenvolvimento de sistemas personalizados.
• Outsourcing: receitas dos serviços de terceirização de processos críticos de tecnologia e negócios prestados por nós aos clientes.