Por Cintia Salomão

A pandemia da Covid-19 representou um golpe brutal para o setor de bares e restaurantes, principalmente nos primeiros meses. Um levantamento com 1.191 empresários, elaborado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), mostrou que 92% dos estabelecimentos tiveram queda no faturamento no primeiro semestre de 2020.

DESAFIO

Com um percentual de trabalhadores transferido para o regime de trabalho home office, as refeições passaram a ser preparadas e consumidas em casa. Os dados da própria Cielo provaram que as vendas de bares e restaurantes caíram 56%. Esses gastos foram transferidos para os setores de hiper e supermercado, cujas vendas cresceram até 30%.

A hecatombe foi ainda maior no faturamento dos restaurantes que atendem as classes A e B, que conseguiram prosseguir com seus trabalhos de casa. A maior parte dos trabalhadores pertencentes às faixas de renda mais baixa voltou ao serviço fora de casa, o que impulsionou a recuperação dos estabelecimentos que atendem esses perfis.

Um setor inteiro precisava sobreviver à pandemia, constaram as indústrias de bebidas, que se sentiram diretamente afetadas por estarem entre as suas principais fornecedoras. Ainda em março de 2020, mês em que o isolamento social começou no país, a marca de cervejas Stella Artois, em parceria com a ChefsClub, decidiu criar um projeto específico para ajudar financeiramente os estabelecimentos em todo o Brasil.

SOLUÇÃO

Batizado de “Apoie um Restaurante”, o movimento procurou dar suporte aos locais que estavam funcionando parcialmente ou que até mesmo se encontravam fechados no período de isolamento. A iniciativa durou exatamente durante os três meses mais difíceis para o setor — de março a maio de 2020.

A ação funcionava por meio do site www.apoieumrestaurante.com.br, no qual o público comprava os cupons com um desconto de 50%, que era custeado integralmente pela Stella Artois e parceiros. Ao final, os restaurantes recebiam 100% do valor arrecadado. O repasse do dinheiro foi feito sem cobrança de taxas graças à Stone — uma fintech do setor financeiro que realizou as transações.

O gerente de marketing de Stella Artois, Rodolfo Carvalho, conversou com a Case Studies, e revelou que a iniciativa fez parte do processo da Ambev de se tornar uma empresa inovadora e colaborativa em seu setor:

— Mesmo antes da Covid, a Ambev já vinha em um processo de se reinventar e se tornar cada vez mais inovadora e colaborativa com todo seu ecossistema, mas essa crise fez com que a gente se mobilizasse com ainda mais rapidez para trazer soluções que ajudem a sociedade, tanto as pessoas quanto os pequenos negócios que fazem parte do nosso ecossistema. No caso de Stella Artois, por termos uma relação próxima com o universo da gastronomia, foi natural estender o nosso apoio aos restaurantes — explicou.

“Em três meses, mais de R$ 11 milhões foram injetados no mercado local”

Rodolfo Carvalho, gerente de marketing de Stella Artois

Os gestores enxergaram na crise uma oportunidade para refletir sobre o papel da empresa de origem belga na sociedade.

— Desde o início da pandemia, entendemos que o momento que estamos vivendo é uma oportunidade para analisarmos ainda mais o nosso papel na sociedade e, observando o cenário, quisemos contribuir de alguma forma. Stella sempre apoiou a gastronomia e se envolve há anos em diversas iniciativas desse setor, então o “Apoie Um Restaurante” foi uma das nossas propostas para ajudar esse mercado com o qual temos uma relação tão próxima — esclareceu o gerente de marketing.

RESULTADOS

– A arrecadação ultrapassou a cifra de R$ 11 milhões em três meses

– Foram vendidos 140 mil vouchers

– 4 mil restaurantes espalhados por todo o país foram beneficiados com um fluxo de caixa gerado de forma imediata

– O modelo bem-sucedido da campanha brasileira foi implantado em outros países, como Argentina, Bélgica, Canadá, Chile, África do Sul, México e Peru

O resultado concreto desse projeto na saúde financeira dos restaurantes brasileiros foi a geração de um fluxo de caixa justamente no momento em que mais precisavam, garante Rodolfo Carvalho. Muitos, inclusive, já vinham de uma queda e não contavam sequer com reserva.

— O principal diferencial de “Apoie Um Restaurante” foi gerar fluxo de caixa imediato para os estabelecimentos, já que no início do distanciamento social muitos deles não tinham reserva financeira ou não estavam prontos para atuar em um cenário que não contemplasse o atendimento presencial do público. Em três meses, foram 140 mil vouchers vendidos e mais de R$ 11 milhões injetados no mercado local, que ajudaram mais de 4 mil restaurantes pelo Brasil inteiro — confirmou à Case Studies.

Para os restaurantes, a crise também acabou representando uma chance de inovar o atendimento e os tipos de produtos oferecidos, como kits especiais para delivery.

— Sabemos que o impacto foi muito grande e repentino, mas, a partir desse fôlego, muitos conseguiram se adaptar e criar novas formas de atendimento ao público, como com os pratos pré-cozidos vendidos em kits especiais e a adesão ao delivery como já conhecemos tradicionalmente —concluiu o gerente de marketing da Stella Artois.